Entenda como o capitalismo afeta diretamente os empregos!

Os últimos anos têm sido frutífera: muitas reuniões entre ativistas e organizações de diferentes países e continentes foram realizadas, e muitas propostas foram feitas para promover a solidariedade, como princípio ético-político e uma base prática para uma outra globalização.

O apoio unânime a essa convergência necessária foi particularmente expresso durante as primeiras edições do Fórum Social Mundial em Porto Alegre, no extremo sul do Brasil.

Capitalismo

No contexto da crescente consciência global dos efeitos destrutivos do capitalismo e do fracasso das soluções neoliberais para o progresso material e a liberdade das pessoas, a perspectiva da economia solidária voltou frente do palco como polo de resistência e como suporte a um novo projeto de sociedade, enraizado na democratização da economia e na cidadania.

Capitalismo

No Brasil, a expansão das práticas econômicas baseadas na livre associação dos trabalhadores é um fato incontestável, se a revitalização das tradições de solidariedade que tinha diminuído ao longo do tempo, ou o aparecimento de formas solidarismo original e inovador.

Por trás deste impulso, há a crise estrutural do mercado de trabalho, agravado por uma política regressiva nacional que gerou durante as duas últimas décadas do processo de fragmentação e exclusão social, com resultados dramáticos.

Mercado de trabalho

Um número crescente de pessoas excluídas do mercado de trabalho e deixado para trás por políticas sociais em declínio foram forçadas a criar suas próprias oportunidades de trabalho e sobrevivência.

Essas iniciativas se devem à ação mobilizadora de vários movimentos sociais, de determinados setores do mundo sindical e de inúmeras entidades da sociedade civil; mas eles também são estimulados por experiências já existentes, que servem como modelos exemplares, especialmente entre as camadas populares com um certo histórico comunitário ou identidade de classe.

O Estado do Rio Grande do Sul (RS) e especialmente sua capital Porto Alegre estão na vanguarda desses eventos, pela sua tradição e sua recente história política, que os tem visto passar gradualmente do centro para a esquerda do caixa pis.

Economia

Suas conquistas no campo da economia solidária refletem o progresso dos movimentos sociais e do campo popular, bem como atestam os problemas cruciais que o solidarismo deve enfrentar para se transformar em um novo sistema de práticas, com coerência própria. superar seus atuais limites geográficos e alcançar uma dimensão regional e global.

Economia

É claro que, se considerarmos a economia solidária como um parâmetro para avaliar as bases atuais de um novo acordo global, é necessário considerar que os “critérios para avaliar o sucesso ou o fracasso das alternativas econômicas devem ser graduais e inclusivos.

Apesar de seus limites, a economia solidária representa um passo concreto que é essencial para estabelecer a credibilidade das propostas para uma nova arquitetura mundial e para gerar apoio maciço para elas; é a prova necessária para mostrar que essas proposições não se limitam a uma ideologia mistificadora de alternativas inaplicáveis.

Uma “outra” globalização envolve a globalização de outras coisas: nada pode ser reivindicado no nível dos principais atores, políticas ou arranjos institucionais responsáveis ​​pelo desenvolvimento regional, nacional e global que não foram realmente experimentados e integrados no nível micro. em práticas trabalhistas, produção econômica e participação cidadã.

A partir dessa premissa, como a economia solidária, através da experiência de Porto Alegre, poderá encontrar uma nova lógica de desenvolvimento e integração em nível global? Para contextualizar essa reflexão, este texto primeiro resume as principais características da economia solidária no Brasil.

Em seguida, ele descreve o panorama da economia solidária no estado do Rio Grande do Sul, região que, como dissemos, é rica em experiências já consolidadas e mostra uma avançada “integração” da solidariedade popular, organizações civis e do estado.

Entenda como o capitalismo afeta diretamente os empregos!
Avalie este artigo!